terça-feira, 23 de agosto de 2011

Aviões-sucata da Vasp começam a ser destruídos em Congonhas

Fotos
Após terem as peças da fuselagem quebradas, as aeronaves serão leiloadas como sucata Após terem as peças da fuselagem quebradas, as aeronaves serão leiloadas como sucata
Foto: Reinaldo Marques/Terra


Teve início na tarde desta terça-feira o processo de destruição de nove aviões-sucata da antiga companhia aérea Vasp no aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Após terem as peças da fuselagem quebradas, as aeronaves serão leiloadas como sucata. Para cada modelo destruído está previsto um custo de R$ 35 mil. A Infraero espera arrecadar um valor mínimo de R$ 30 mil por cada avião, que deve ser revertido para a massa falida da empresa.
 
Paradas há 6 anos, desde que a aérea deixou de operar, as aeronaves representam um custo mensal de R$ 100 mil pela ocupação de um espaço aproximado de 170 mil m². O processo de corte das estruturas é realizado por uma empresa particular, que usa escavadeiras, e tem prazo estipulado de 20 dias. Na primeira fase serão destruídas quatro aeronaves. De acordo com a Infraero, há mais de 100 aviões parados nos principais aeroportos do País. Congonhas é considerado um aeroporto prioritário no processo de desocupação do espaço devido à sua saturação.
 
A corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, considerou o início da destruição das sucatas "uma vitória contra a burocracia". "Quando olharmos a capa das revistas mostrando o dia de hoje, pensaremos como foi possível ter demorado tanto tempo para fazer algo que era um objetivo de todos", disse na cerimônia que marcou o início da demolição. De acordo com o presidente da Infraero, Gustavo do Vale, o valor angariado no leilão do material é "irrisório", e que o mais importante é a desocupação do espaço. "É um valor quase irrisório porque a dívida da marca é muito grande", disse.
 
Ainda de acordo com a Infraero, caso não haja interessados no leilão do material, a própria estatal arrematará o lote pelo valor mínimo. O chefe da Secretaria Nacional de Aviação Civil, ministro Wagner Bittencourt, disse que o plano do chamado programa "Espaço Livre" é liberar o espaço tomado por aviões-sucata até a Copa do Mundo em 2014.
 
fonte: terra.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vende-se Uma Casa em Tarauacá